Pages

Subscribe:

novembro 01, 2010

we are broken.





Ficou para trás. Junto com alguns papeis a e algumas poucas lembranças. Alguns objetos jogados e uma meia lágrima derramada. Ficou pra trás, como deveria ser. É, você sabe assim como eu, não é? Talvez eu pense demais em você nas 16 horas de um dia, porque nas outras 8 horas eu estou sonhando, e lá também está. Mas é passageiro, eu sei, vai passar. Porque no tempo tudo passa, e tudo vai se encaixar. Eu vou superar, assim como superei coisas que achava impossível. Eu sei que eu sou forte mais do que pareço. É natural, as coisas simplesmente chegam ao fim. Se durou muito ou pouco, não importa. Durou e isso sim é o importante. Acabou cedo, de maneira banal, infantilizado pela mimada bipolaridade. Mas é assim que é, e segue. Como um fluxo de água sabe? Mas o nosso não durou nem para matar a sede. Mas a gente aprende, com o tempo, a escolher coisas duradouras, e se forem para acabar que não nos faça acreditar que se possa eternizar. E no fundo tanto eu como você sabíamos que teria um fim, não é? E no fundo o tempo, mesmo não curando todas as coisas, nos faz esquecer. E as coisas passam, pra sempre. Talvez eu me culpe por ser tão banal, tão tolo e orgulhoso. Talvez eu me vanglorie por ter tirado um sofrimento maior do meu caminho, pois eu sei que isto cresceria como uma bola de neve, junto com sentimentos e histórias, e no final, seria pior, eu sei disso. Você também! Mas pra que se lamentar não é? As coisas acontecem porque precisam acontecer, simplesmente. E a gente viveu o que era pra viver. Aconteceu, durou, acabou. Você estará sempre muito presente, ou talvez eu esqueça com o tempo a sua feição, seu jeito e até o seu timbre. Mas nunca vou me esquecer de que por alguns instantes, me fez feliz, por mais momentâneo que tenha sido. Está ficando tarde, já são 02h40, eu tenho meus compromissos e mais coisas pra fazer do que simplesmente ficar aqui relembrando. Se for pra viver novamente, vai acontecer. Se não for, a gente guarda na memória o que já aconteceu. Tão simples assim. Talvez eu entenda que não é o tempo que nos faz superar, e sim o amor. Mas não vai ser um amor que venha de você, e sim que existe em mim. O meu amor próprio. Talvez antes de dormir eu pense um pouco em você, mas talvez eu pense mais em mim, afinal, já está na hora de pensar mais no meu "eu", aprender cuidar da minha vida, e parar de me lamentar pelo que aconteceu. Boa noite meu amor, fique bem, durma bem. Eu vou cuidar de mim :)


William Balmant

3 comentários: